25 de jul de 2007

FALSO FINAL DE CHAVES

CHAVES ENTRA PULANDO CORDA) Chaves: Vinte e três, vinte e quatro, vinte e cinco, vinte e seis... (SEU MADRUGA SAI DE CASA E FICA PRESO NA CORDA DO CHAVES) Chaves: Vinte e seis... vinte e seis... Madruga: Tinha que ser o CHAVES de novo! Chaves: Foi sem querer querendo! Madruga: (IMITANDO CHAVES) Foi sem querer querendo... Sai da frente! (EMPURRA CHAVES, VAI EM DIREÇÃO À PORTA DE DONA FLORINDA) (MADRUGA BATE NA PORTA, KIKO ABRE) Kiko, faça o favor de chamar sua mãe. Kiko: Da parte de quem? Madruga: Ora, como da parte de quem, da minha! Kiko: Minha mamãe não está, ela saiu com o professor Girafales. (KIKO APONTA PARA A SAÍDA DA VILA) Mas olha, ali vem ela... (FLORINDA E GIRAFALES ENTRAM JUNTOS, UM OLHANDO PARA O OUTRO) Madruga: Com licensinha, com licensinha... (SE APROXIMA DE FLORINDA). Madruga: Dona Florinda, preciso falar com a senhora urgentemente. Florinda: Mas o que é que esta gentalha quer justo agora? Madruga: É justamente isso, Dona Florinda. Estou cansado. Cansado de ser espancado pela senhora. Cansado de ser tratado como lixo. Cansado de receber bofetadas que não mereço. Eu não sou gentalha. A senhora é gentalha. Minha vida se tornou um inferno. A culpa é sua, dona Florinda. A senhora vai pagar com a vida, Florinda. Com a vida! (MADRUGA SACA UMA ARMA) (KIKO VOA EM DIREÇÃO À ARMA) Kiko: Nããão!! (MADRUGA DISPARA. KIKO SALVA FLORINDA MAS É ATINGIDO PELA BALA) Florinda: Tesouro!! (FLORINDA E GIRAFALES TENTAM ANIMAR KIKO, QUE SANGRA SEM PARAR NO CHÃO) Madruga: Foi... Foi um acidente... Eu não queria matar o garoto! Eu.. Eu juro! Não posso mais viver nesse mundo cruel! A morte me espera! (MADRUGA ATIRA CONTRA A PRÓPRIA CABEÇA, O CRÂNIO EXPLODE, CÉREBRO E SANGUE JORRAM SOBRE O PÁTIO DA VILA) Kiko: (MORRENDO) Eu... Consegui... Salvá-la... Seja... Feliz... Mamãe... (MORRE) Florinda: (EM PRANTOS) Nãããão!!! Por que, Senhor?! Por que me amaldiçoaste com essa desgraça!? Primeiro meu marido, agora meu tesouro! Tudo culpa dessa.. dessa gentalha! (FLORINDA FICA INSANA, SALIVANDO, CHUTANDO O CADÁVER DE MADRUGA) Kiko: (DIZENDO SUAS ÚLTIMAS PALAVRAS ANTES DE MORRER) Gentalha... Gentalha! Pfft! Girafales: (ACALMANDO FLORINDA) Acalme-se dona Florinda, não podemos fazer nada. Só nos resta jogar os corpos no poço do outro pátio... Antes que o seu Barriga chegue. (SENHOR BARRIGA APARECE) Barriga: Tarde demais. Já estou aqui. E pude ver tudo. Eu sabia que um dia isso aconteceria. Eu percebi que as pessoas dessa vila eram como bombas-relógio emocionais, e que mais cedo ou mais tarde a bomba iria explodir, e o sangue dos inocentes iria jorrar. Eu liguei para a polícia, eles estarão aqui em breve. (CHIQUINHA APARECE) Chiquinha: Ei Chaves, vamos brincar de barquinhos de papel? Eu tenho um bar.... . Senhor misericordioso, esse cadáver... Chavinho... Esse cadáver é do meu papai? Chaves: (BALANÇANDO A CABEÇA DIZENDO NÃO) Sim. (CHIQUINHA COMEÇA A CHORAR) Chiquinha: Uáááá, uáááá... Eu... Vou... Contar tudo... Pra minha bisavô... Vou falar... Que me bateram... E que me chutaram... E que explodiram a cabeça do meu papai... E que me deixaram órfã! (DONA CLOTILDE SAI DE SUA CASA PELA JANELA. SEU CORPO ESTÁ EM CHAMAS) Clotilde: Acidente! Acidente doméstico! Fogo! Fogo! Queimando minha carne! Me ajudem! (CLOTILDE MORRE CARBONIZADA EM PÉ MESMO. NINGUÉM NEM OLHA PARA ELA) (A POLÍCIA CHEGA) Barriga: Finalmente vocês chegaram. Levem todos. Todos, menos aquele ali (APONTA PARA CHAVES), ele não tem culpa de nada. (A POLÍCIA, INTERPRETADA POR FIGURANTES DA ESCOLINHA, LEVA TODOS COM EXCESSÃO DE CHAVES) (BARRIGA ESTÁ SOZINHO COM CHAVES) Barriga: Chaves... Eu... Eu não sei como lhe dizer isso... Eu estava esperando o melhor momento para lhe contar... Mas agora não vai mais fazer diferença... O seu Madruga... O seu Madruga é seu verdadeiro pai. (MÚSICA TRISTE NO FUNDO. UMA LÁGRIMA CAI PELO ROSTO DE CHAVES) Barriga: Seu Madruga nunca tinha dinheiro para me pagar porque ele me pagava para eu deixar você viver na vila... Ele pedia para que eu não contasse nada a você... Ele se deliciava torturando você... Deixando você passar fome e frio... Aquele monstro, fazendo isso com o próprio filho... Eu... Sinto muito Chavinho. Você não pode ficar mais na vila. Vou demolir esse lugar para construir um bordel. (A ILUMINAÇÃO DIMINUI. A MÚSICA TRISTE AUMENTA. CHAVES PEGA UMA TROUXINHA COMEÇA A ANDAR DE CABEÇA BAIXA PARA FORA DA VILA) Barriga: Ei Chaves... Até a vista, Chaves... (CHAVES SE DESPEDE ABRINDO E FECHANDO A MÃO, E VAI EMBORA) (BARRIGA DEITA-SE NO CHÃO E COMEÇA A CHORAR) Barriga: O que foi que fiz... A ganância me corrompeu e fez de mim esse homem mesquinho e sem honra que sou hoje... O mundo seria melhor se eu não existisse... Ó Deus, mata-me! (UMA PEDRA DE ISOPOR CAI DO CÉU SOBRE SEU BARRIGA. MUITO SANGUE SAI DE SUA BOCA) Barriga: Fui... Atingido... Por... Um meteoro! (MORRE) Apenas a voz do seu Madruga (AGORA FANTASMA): AEROLITO! AEROLITO! (CLAQUE DE RISADAS. APLAUSOS.) (FADE OUT) (FIM)

24 de jul de 2007

Dia do Amigo

Dia 20/07, é comemorado o "Dia da Amizade". Sendo assim, queria deixar aqui um beijo bem grande para todos os meus amigos, recentes ou antigos, virtuais ou não. Que Deus proteja a todos vocês e encha suas vidas de bençãos. "Quem tem um amigo, tem um tesouro"

TULIPA ROXA


Zé namorava Maria há 5 anos. Uma moreninha de corpo escultural, bundinha perfeita, peitinho durinho de olhar para cima... Simplesmente as medidas de uma Deusa grega. Só havia um problema para José: até hoje Maria não tinha liberado nada mais que uns amassos.
Um dia, os dois a rolar pelo sofá, pega aqui, pega ali, mão naquilo, aquilo na mão, etc.,

José começou a tirar a blusinha de Maria, abriu sua calça e quando achou que finalmente ia rolar. Maria cortou o barato falando:
- José, eu sou moça de família. Só vou transar com você depois de casar.
Quando acontecer, até tulipa roxa eu farei com você.
Sem entender o que era "tulipa roxa", José levantou-se e saiu. Foi à casa de Joana, uma loirinha aguada que era um caso antigo dele, daquelas que liberava geral.
Ao chegar José não pensou duas vezes e foi logo para cima de Joana. Rola prá cá, rola prá lá, depois de várias posições ele não pensou mais e disse:
- Joana, não acha que já estamos sem muitas idéias para nossas transas?
- Também acho, Morzinho.
- Então, quem sabe você poderia fazer uma tulipa roxa?

Ela ficou branca e logo gritou:
- QUEM VOCÊ PENSA QUE SOU? POSSO SER SUA AMANTE,FAZER TODO TIPO DE SACANAGEM, MAS VOCÊ ESTA ACHANDO QUE SOU DESSAS QUE FAZEM TULIPA ROXA?
A MOÇA ENFIOU A MÃO NA CARA DO COITADO! - FORA DAQUI, JÁ!!

Jogou tudo o que tinha em cima de José, que não teve alternativa a não ser sair correndo, com as calças na mão. No dia seguinte, José foi para o trabalho, mas não parava de pensar como deveria ser a tal "TULIPA ROXA". Claro que não perguntou para nenhum amigo, pois não queria passar vergonha.

A solução seria uma visita ao puteiro local (tipo Café Monique, Privê Panteras). Para lá se dirigiu, à noite. Depois de beber umas e outras,sentiu-se preparado e chamou uma das "garotas", linda, de parar o trânsito.Ao chegar ao quarto foi logo perguntando:
- Você faz realmente tudo?
- Claro. Estou aqui pra isso, fofinho.
- Qualquer coisa, mesmo?Então vamos começar logo com a tulipa roxa?
- Sem pensar, a putinha tascou um tremendo tapa na cara de José e foi gritando:
- SEU SEM VERGONHA. SOU PUTA, MAS NÃO SOU QUALQUER UMA. QUEM VOCÊ PENSA QUE EU SOU?!!!
A VAGABUNDA ENFIOU A MÃO NA CARA DO COITADO, DE NOVO!
E continuou gritando, enquanto fora do quarto todo o mundo escutava seus berros. Sem entender o que estava acontecendo o "segurança" (vamos ser francos, o cafetão do local) invade o quarto, irritado, pergunta:
- Senhor, o que está acontecendo aqui?
- Meu caro, eu só perguntei se ela fazia de tudo. Respondeu José.
- Ora, aqui todas fazem de tudo. Não estou entendendo. - disse o cafetão.

- Mas, quando eu pedi para ela fazer "Tulipa Roxa" ela enlouqueceu...
Sem deixar José concluir a frase o cafetão saca revólver e vai berrando:
- AQUI É UM PUTEIRO DE RESPEITO, MINHAS MENINAS NÃO SÃO DESSE TIPO. SAIA DAQUI, SEU FILHO-DA-PUTA, SENÃO TE FURO O RABO!!!

E José, novamente sem ter escolha, saiu correndo e Foi para a casa de Maria..

Ao chegar, falou:

- Maria, case comigo, agora, por favor. - Afinal, José não agüentava mais não saber o que era "Tulipa Roxa".

Dois dias depois casaram-se e foram para a lua de mel.José esperançoso.Mas no caminho da lua de mel, sofreram um acidente

Maria morreu. Até hoje José chora. Não de saudade, e sim de raiva, pois não conseguiu descobrir o que é "Tulipa Roxa". E NÓS, também, vamos ficar com raiva.
Afinal, se José não descobriu o que é tulipa roxa,muito menos eu, que só recebi esta mensagem de um filho-da-puta que também não sabia, e perdi um tempão lendo essa porra deste e-mail e não descobri

O que é essa merda de "Tulipa Roxa".
Então pensei, " Por que não dividir a frustração com vocês? " Afinal, vocês são meus amigos............

15 de jul de 2007

BRUNA VC É A MAIS PURA ESSÊNCIA DA SERENIDADE...


Gente... ser tia é bom, ser madrinha também...mas ser Tiadrinha é muito melhor! Foi realmente um dos melhores presentes que eu já ganhei! AMO minha sobrinha e afilhada .
BRUNISSÍMA...
você não tem que ser igual a ninguem
seja sempre você mesma,e enquanto DEUS
quiser essa sua tia que te ama
tanto estará aqui sempre torcendo e
rezando para que você possa comemorar
cada novo dia... E aceite cada momento
como um presente especial da vida para você!
declarar, demonstrar e receber muito
amor...Que sonhe e voe cada vez mais
alto, e alcance seus sonhos! possa e
saiba trabalhar e estudar, e fazer tudo
com prazer. Que saiba descansar, se
divertir e fazer o que você gosta! Seja
sempre essa pessoa especial que você é
meiga,serena e sincera.
EU TE AMO!!!!!

MÃES MÀS!!!


* Eu os amei o suficiente para ter perguntado aonde vão, com quem vão e a
que horas regressarão.
Eu os amei o suficiente para não ter ficado em
silêncio e fazer com que vocês soubessem que aquele novo amigo não era boa
companhia.
Eu os amei o suficiente para os fazer pagar as balas que tiraram
do supermercado ou revistas do jornaleiro, e os fazer dizer ao dono: "Nós
pegamos isto ontem e queríamos pagar".
Eu os amei o suficiente para ter ficado em pé junto de vocês, duas horas,
enquanto limpavam o seu quarto,tarefa que eu teria feito em 15 minutos.
Eu os amei o suficiente para os deixar ver além do amor que eu sentia por vocês,
o desapontamento e tambémas lágrimas nos meus olhos.
Eu os amei o suficiente para os deixar assumir a
responsabilidade das suas ações, mesmo quando as penalidades eram tão duras
que me partiam o coração.
Mais do que tudo, eu os amei o suficiente paradizer-lhes não, quando eu sabia que vocês poderiam me odiar por isso (e emmomentos até odiaram).
Essas eram as mais difíceis batalhas de todas.
Estou contente, venci...
Porque no final vocês venceram também!
E em qualquer dia, quando meus netos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e as mães, quando eles lhes perguntarem se sua mãe era
má, meus filhos vão lhes dizer:
"Sim, nossa mãe era má. Era a mãe mais má do mundo...".
* As outras crianças comiam doces no café e nós tínhamos que comer cereais,
ovos e torradas.
As outras crianças bebiam refrigerante e comiam batatas
fritas e sorvete no almoço e nós tínhamos que comer arroz, feijão, carne,
legumes e frutas. E ela nos obrigava a jantar a mesa, bem diferente das
outras mães que deixavam seus filhos comerem vendo televisão.
Ela insistia em saber onde estávamos a toda hora. Era quase uma prisão. Mamãe tinha que saber quem eram nossos amigos e o que nós fazíamos com eles. Insistia que
lhe dissemos com quem íamos sair, mesmo que demorássemos apenas uma hora ou
menos. Nós tínhamos vergonha de admitir, mas ela "violava as leis do
trabalho infantil". Nós tínhamos que tirar a louça da mesa, arrumar nossas
bagunças, esvaziar o lixo e fazer todo esse tipo de trabalho que achávamos
cruéis. Eu acho que ela nem dormia à noite, pensando em coisas para nos
mandar fazer.
Ela insistia sempre conosco para que lhe disséssemos sempre a
verdade e apenas a verdade.
E quando éramos adolescentes, ela conseguia até ler os nossos pensamentos.
A nossa vida era mesmo chata. Ela não deixava os
nossos amigos tocarem a buzina para que saíssemos, tinham que subir, bater à
porta, para ela os conhecer. Enquanto todos podiam voltar tarde à noite, com
12 anos, tivemos que esperar pelos 16 para chegar um pouco mais tarde, e
aquela chata levantava para saber se a festa foi boa ( só para ver como
estávamos ao voltar).
Por causa de nossa mãe, nós perdemos imensas
experiências na adolescência: Nenhum de nós esteve envolvido com drogas, em
roubo, em atos de vandalismo, em violação de propriedade, nem fomos presos
por nenhum crime.
FOI TUDO POR CAUSA DELA.
Agora que já somos adultos,
honestos e educados, estamos a fazer o nosso melhor para sermos
"PAIS MAUS",
como minha mãe foi.
EU ACHO QUE ESTE É UM DOS MALES DO MUNDO DE HOJE: NÃO
HÁ SUFICIENTES MÃES MÁS.

Dr. Carlos Hecktheuer - Médico Psiquiatra.

12 de jul de 2007

Tenta sim, vai ficar lindo!!! ai ai ai....


Foi assim que decidi, por livre e espontânea pressão de amigas, me render à depilação na virilha. Falaram que eu ia me sentir dez quilos mais leve.
Mas acho que pentelho não pesa tanto assim. Disseram que eu nunca mais ia querer outra coisa. Eu imaginava que ia doer, porque elas ao menos me avisaram que isso aconteceria. Mas não esperava que por trás disso, e bota por trás nisso, havia toda uma indústria pornô-ginecológica-estética.

- Oi, queria marcar depilação com a Penélope.
- Vai depilar o quê?
- Virilha.
- Normal ou cavada?
Parei aí. Eu lá sabia o que seria uma virilha cavada. Mas já que era pra fazer, quis fazer direito.
- Cavada mesmo.
- Amanhã, às... Deixa eu ver...13h?
- Ok. Marcado.

Chegou o dia em que perderia dez quilos. Almocei coisas leves, porque sabia lá o que me esperava, coloquei roupas bonitas, assim, pra ficar chique. Escolhi uma calcinha apresentável. E lá fui. Assim que cheguei, Penélope estava esperando. Moça alta, mulata, bonitona. Oba, vou ficar que nem ela, legal. Pediu que eu a seguisse até o local onde o ritual seria realizado. Saímos da sala de espera e logo entrei num longo corredor. De um lado a parede e do outro, várias cortinas brancas. Por trás delas ouvia gemidos, gritos, conversas. Uma mistura de Calígula com O Albergue. Já senti um frio na barriga ali mesmo, sem desabotoar nem um botão. Eis que chegamos ao nosso cantinho: uma maca, cercada de cortinas.

- Querida, pode deitar.

Tirei a calça e, timidamente, fiquei lá estirada de calcinha na maca.
Mas a Penélope mal olhou pra mim. Virou de costas e ficou de frente pra uma mesinha. Ali estavam os aparelhos de tortura. Vi coisas estranhas. Uma panela, uma máquina de cortar cabelo, uma pinça. Meu Deus, era O Albergue mesmo. De repente ela vem com um barbante na mão. Fingi que era natural e sabia o que ela faria com aquilo, mas fiquei surpresa quando ela passou a cordinha pelas laterais da calcinha e a amarrou bem forte.

- Quer bem cavada?
- .é... é, isso.

Penélope então deixou a calcinha tampando apenas uma fina faixa da Abigail, nome carinhoso de meu órgão, esqueci de apresentar antes.

- Os pêlos estão altos demais. Vou cortar um pouco senão vai doer mais ainda.
- Ah, sim, claro.
Claro nada, não entendia porra nenhuma do que ela fazia. Mas confiei.
De repente, ela volta da mesinha de tortura com uma espátula melada de um líquido viscoso e quente (via pela fumaça).
- Pode abrir as pernas.
- Assim?
- Não, querida. Que nem borboleta, sabe? Dobra os joelhos e depois joga cada perna pra um lado.
- Arreganhada, né?

Ela riu. Que situação. E então, Pê passou a primeira camada de cera quente em minha virilha Virgem. Gostoso, quentinho, agradável. Até a hora de puxar.
Foi rápido e fatal. Achei que toda a pele de meu corpo tivesse saído, que apenas minha ossada havia sobrado na maca. Não tive coragem de olhar.
Achei que havia sangue jorrando até o teto. Até procurei minha bolsa com os olhos, já cogitando a possibilidade de ligar para o Samu. Tudo isso buscando me concentrar em minha expressão, para fingir que era tudo supernatural.
Penélope perguntou se estava tudo bem quando me notou roxa. Eu havia esquecido de respirar. Tinha medo de que doesse mais.

- Tudo ótimo. E você?

Ela riu de novo como quem pensa "que garota estranha". Mas deve ter aprendido a ser simpática para manter clientes.
O processo medieval continuou. A cada puxada eu tinha vontade de espancar Penélope. Lembrava de minhas amigas recomendando a depilação e imaginava que era tudo uma grande sacanagem, só pra me fazer sofrer. Todas recomendam a todos porque se cansam de sofrer sozinhas.

- Quer que tire dos lábios?
- Não, eu quero só virilha, bigode não.
- Não, querida, os lábios dela aqui ó.
Não, não, pára tudo. Depilar os tais grandes lábios ? Putz, que idéia.
Mas topei. Quem está na maca tem que se fuder mesmo.
- Ah, arranca aí. Faz isso valer a pena, por favor.
Não bastasse minha condição, a depiladora do lado invade o cafofinho de Penélope e dá uma conferida na Abigail.
- Olha, tá ficando linda essa depilação.
- Menina, mas tá cheio de encravado aqui. Olha de perto.

Se tivesse sobrado algum pentelhinho, ele teria balançado com a respiração das duas. Estavam bem perto dali. Cerrei os olhos e pedi que fosse um pesadelo. "Me leva daqui, Deus, me teletransporta". Só voltei à terra quando entre uns blábláblás ouvi a palavra pinça.

- Vou dar uma pinçada aqui porque ficaram um pelinhos, tá?
- Pode pinçar, tá tudo dormente mesmo, tô sentindo nada.

Estava enganada. Senti cada picadinha daquela pinça filha da mãe arrancar cabelinhos resistentes da pele já dolorida. E quis matá-la. Mas mal sabia que o motivo para isso ainda estava por vir.

- Vamos ficar de lado agora?
- Hein?
- Deitar de lado pra fazer a parte cavada.
Pior não podia ficar. Obedeci à Penélope. Deitei de ladinho e fiquei esperando novas ordens.
- Segura sua bunda aqui?
- Hein?
- Essa banda aqui de cima, puxa ela pra afastar da outra banda.

Tive vontade de chorar. Eu não podia ver o que Pê via. Mas ela estava de cara para ele, o olho que nada vê. Quantos haviam visto, à luz do dia, aquela cena? Nem minha ginecologista. Quis chorar, gritar, peidar na cara dela, como se pudesse envenená-la. Fiquei pensando nela acordando à noite com um pesadelo. O marido perguntaria:

- Tudo bem, Pê?
- Sim... sonhei de novo com o cu de uma cliente.

Mas de repente fui novamente trazida para a realidade. Senti o aconchego falso da cera quente besuntando meu Twin Peaks. Não sabia se ficava com mais medo da puxada ou com vergonha da situação. Sei que ela deve ver mil cus por dia. Aliás, isso até alivia minha situação. Por que ela lembraria justamente do meu entre tantos? E aí me veio o pensamento: peraí, mas tem cabelo lá?
Fui impedida de desfiar o questionamento. Pê puxou a cera. Achei que a bunda tivesse ido toda embora. Num puxão só, Pê arrancou qualquer coisa que tivesse ali. Com certeza não havia nem uma preguinha pra contar a história mais. Mordia o travesseiro e grunhia ao mesmo tempo. Sons guturais, xingamentos, preces, tudo junto.

- Vira agora do outro lado.
Porra.. por que não arrancou tudo de uma vez? Virei e segurei novamente a bandinha. E então, piora. A broaca da salinha do lado novamente abre a cortina.
- Penélope, empresta um chumaço de algodão?

Apenas uma lágrima solitária escorreu de meus olhos. Era dor demais, vergonha demais. Aquilo não fazia sentido. Estava me depilando pra quem?
Ninguém ia ver o tobinha tão de perto daquele jeito. Só mesmo Penélope. E agora a vizinha inconveniente.

- Terminamos. Pode virar que vou passar maquininha.
- Máquina de quê?!
- Pra deixar ela com o pêlo baixinho, que nem campo de futebol.
- Dói?
- Dói nada.
- Tá, passa essa merda...
- Baixa a calcinha, por favor.

Foram dois segundos de choque extremo. Baixe a calcinha, como alguém fala isso sem antes pegar no peitinho? Mas o choque foi substituído por uma total redenção. Ela viu tudo, da perereca ao cu. O que seria baixar a calcinha? E essa parte não doeu mesmo, foi até bem agradável.

- Prontinha. Posso passar um talco?
- Pode, vai lá, deixa a bicha grisalha.
- Tá linda! Pode namorar muito agora.
Namorar...namorar... eu estava com sede de vingança. Admito que o resultado é bonito, lisinho, sedoso. Mas doía e incomodava demais. Queria matar minhas amigas. Queria virar feminista, morrer peluda, protestar contra isso. Queria fazer passeatas, criar uma lei antidepilação cavada.

Queria comprar o domínio www.preserveasxotinhaspeludas.com.br

Elisa e Val, do Redatoras de Merda

11 de jul de 2007

TENHO SAUDADES...

Ando c/ saudades de café c/ pão;

de namorados dando beijinhos no portão;

pedir bênção a pai e mãe (Deus te abençoe);

do sinal-da-cruz q fazia qdo passava na frente da igreja;

de ver 1 varal cheio d roupas c/ cheiro apenas d sabão;

sentir respeito pela polícia;

acreditar q o Brasil ganhou a Copa do Mundo pq jogou direito;

de saber q Mª feirante poderá ter 1 filho médico.

Saudades de homens q usavam apenas o assobio como galanteio. Fiu-fiu!

Que cadeia era lugar de ladrão e a rua lugar de gente honesta.

Acho que andaram invertendo a situação.

Ando com saudades de pipoca doce de pipoqueiro;

de dar bom-dia à vizinha;

Saudades de gritar q a porta está aberta p/ os q chegam.

Hoje, se fala o q quer e pedir perdão virou raridade.

Hoje, já ñ se nasce + criança.

BOA NOITE , 5ª d PAZ,SAÚDE, AMOR, P/ TDS .

10 de jul de 2007

NÃO SOU CHATA...MAS DÓI O PENSAMENTO, SÓ DE LER


Vejam o analfabetismo Orkutiano, uma agressão a língua portuguesa...

Mim adisiona ae....

Fala com migo dinoite

Já comprei uma COIZA falsa(Uma delas foi o dicionário, certo?!)

Eu não uso cinto e sim CARDAÇO(Use-os para enforcar-se.)

Moro em um OSPICIO(Mude-se para uma escola.)

Eu FASO guerra d papel na sala(Esse é auto-explicativo. )

Odiamos a porfessora Márcia(Dá pra perceber...)

Eu tenho vergonha as veiz(Se eu fosse você, também teria vergonha.)

Estudar causa câncer no celebro(Celebro? É, estudar não é mesmo a sua.)

Conta a do Xumaquer, tia Cau(Xumaquer é o filho do Schumacher com a Xuxa?)

Tem um excroto na minha sala!("Excroto" é um cara que deixou de ser "croto".

Seja lá o que isso signifique...)

Eu pidia a siringa pro medico(Três erros em 5 palavras. Forte candidata ao prêmio "Mais Erros por Metro Quadrado".)

Eu só esquesso quando eu quero(Então você esqueceu o português correto de propósito?)

Eu tenho mause sem fio(Não costumo zoar erros em inglês. A nossa obrigação é saber o português. Mas calma aí, mouse já é uma palavra praticamente aportuguesada.)

Ropa não mostra carater(Mas "ropa" mostra burrice.)

Bulaxa creme crack e iorgut(Você é quem merece uma boa bolacha.)

Eu uso oclos escuro a noite(Por isso não enxergou as teclas, não é?!)

O q eles falam ñ m emporta(Então não se importe com meu comentário: burro!)

Eu acisto ermes e Renato(Se assistisse mesmo, veria aquela propaganda que diz: "Desligue a TV e vá ler um livro.")

Fui acusado de estrupo(Com essa sua cara de "pseudo-meliante", o máximo que você fez foi estuprar a língua portuguesa)

Eu temho um selular viva(Esse tá concorrendo na categoria "mais erro por metro quadrado". Três erros em 5 palavras.)

Tenho pavor de "LARGATIXA"(Também tenho medo. Deve ser um animal novo, que sofreu mutação da lagaRtixa.)

Eu adoro picanha na tauba...(xiiii...sem comentários!)rrrrrrsssss///

Eu Poia to repazanu,kikikikikikikikiki

6 de jul de 2007

AOS MEUS IRMÃOS





Na minha vida nada é fácil, tudo é conquistado
Mas o mais importante é que eu AMO a vida,
eu amo amar as pessoas..
nem é preciso dizer que amo minha família
e meus irmãos mais que tudo nessa vida,
mas é verdade... é só isso que me faz caminhar, ir para frente...
Mas também sei viver sozinha,
NASCI para sonhar, para LUTAR, para crescer...cair e levantar!
E enquanto eu viver,
é com um sorriso no rosto (SEMPRE) que eu vou levantar a cabeça e ir a luta!!!
O incrivel é que não me distanciei.
Vocês sim distanciaram-se,como se eu estivesse com uma doença contagiosa.
Eu somente passei a trilhar um outro Caminho.
Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.
Me dêem o nome que vocês quiserem, pensem de mim o que vocês sempre pensaram .
Vocês continuam vivendo nos meus pensamentos e dentro de meu coração.
A amizade não obedece a uma presença constante,
mas...
Exige uma constante lembrança!
Por isso lembro-me sempre das pessoas que realmente estimo e admiro!!
VOCÊS...
Beijos em seus corações!!!!!!!!!!!!!!
reflexão:
A verdade é que os seres humanos não gostam de encarar a Verdade nua...
Eles a preferem disfarçada.

ALMA GEMEA

, Alguém muito sábio um dia disse: "Eu não tenho rugas, eu tenho vida!" Chegar a meio século é ter vivido a plenitude, é não ter medo de ser e fazer. É ter realizado tudo e ter tudo ainda por realizar! Mesmo de longe, quero fazer parte do teu dia e dizer o quanto, ao longo desta vida, és importante para mim. És a voz que me acalma, o conselho que sigo. És a mão que procuro, quando preciso de abrigo. És minha cúmplice, minha guru, és parte do que vivo, és minha calma, és a mais doce e linda mulher que escolhi. Plagiando o poeta (aquele da nossa infãncia*), diria... "somos duas almas bem gêmeas, que riem no mesmo riso, que choram nos mesmos ais... duas liras semelhantes ou dois poemas iguais".

4 de jul de 2007

3 de jul de 2007

PAI,TENHO SAUDADES DE VC,AQUI PRESENTE,MAS TENHO CERTEZA ABSOLUTA E POSSO ATÉ SENTIR VC AQUI,TDS OS DIAS PERTINHO DE MIM...

PAI..............


  • Quando eu fecho os olhos para dormir,É como se acabasse de pedir para sonhar com você. Se as paredes respondessem, Se as canções tivessem vontades próprias, O meu pedido séria composto. Quanto mais penso estar próximo ao sol, Mas perto da lua me encontro. Os raios do sol me tocam, E me fazem refletir em formas de como chegar até ele. Faço planos surpreendentes, Faço mapas para que meu coração não erre a direção. Quando acho que estou no caminho certo, Tenho que começar tudo de novo. Minhas palavras parecem já não terem mais sentido. Quando tento expressar o amor que sinto. Como as estrelas que já não existem, mais ainda brilham. Como as poesias em que o autor já faleceu, Mas ainda toca o coração de quem as lêem. Por mais completa que seja uma promessa,


  • Nem uma é mais forte que a promessa de um dia te encontrar.


  • Sinto muito a sua falta,PAI....

LEMBRANCINHAS EM BISCUIT...FEITOS POR MIM....

OLHA O CHARME DESSES NOIVINHOS P/ TOPO DE BOLO



o











Essas gravatinhas para lembrancinha de casamento ou formatura,são graciosas
e já vão com os cartõezinhos...
feitas em biscuit.





1 de jul de 2007

NOIVINHOS EM BISCUIT P/ TOPO DE BOLO ...O NOIVO ADORA VIDEO GAME,FEITOS POR MIM







JESUS NÃO TEM UM MSN...MAS ELE ESTÁ ON LINE


JESUS

não tem um MSN...Mas ele está online todo o tempo...Vc não precisa adicionar Ele,Pois Ele, já te adicionou,antes mesmo do seu nascimento...Ele é quem vc precisa procurar, e conversar...E é tão fácil conversar com Ele...Basta fechar os olhos e querer,e a sua 'plakinha' do msn,vai aparecer pra ele...E Ele te ouvirá... E Ele dirá o que vc precisa ouvir...E vc vai descobrir o quanto Ele te ama...Pare de procurar felicidade em lugares errados,Pois no final, só achará tristezas....E vc terá que reiniciar sua busca...Mas se for direto a Jesus...Vc não precisará mais procurar... Muitas maravilhas EleTem reservado a você!!!Que Deus te abençoe!!!

INTERPRETAÇÃO SALMO 23

1 - O Senhor é o meu pastor, nada me faltará.
O Senhor é aquele que residindo no nosso interior provê tudo quanto nos é necessário para o desenvolvimento e sustento, tanto para a nossa vida material como espiritual. Crer em sua capacidade de nos orientar é indispensável para que Ele nos ajude em todos os sentidos em todos os momentos da nossa existência física.
2 - Deitar-me faz em pastos verdejantes; leva-me mansamente para junto das águas de descanso.
Faz-me repousar e descansar em campos verdejantes onde não haja incertezas nem dúvidas; tranqüila será a minha caminhada tal como um riacho correndo suave.
3 - Refrigera a minha alma; guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome.
Acalma as minhas ansiedades; faz com que eu ande sempre de acordo com os seus preceitos e ensinamentos, pois os recebi do Senhor e em Seu Nome eu os pratico.
4 - Ainda que eu ande pelo vale da sombra e da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
Ainda que eu seja pressionado, maltratado e perseguido, nada terei a temer, porque tenho a certeza que estarei protegido pelas Suas Leis, e Seus desígnios. A retidão dos meus propósitos são minha segurança; seu apoio é suficiente para me sentir consolado.
5 - Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus adversários; unges com óleo a minha cabeça, o meu cálice transborda.
Mostra-me de forma clara todos os defeitos que poderão causar a minha ruína; dá-me a força para que eu possa lutar contra todos eles; quando aprender a superar todos eles meu coração transbordará de júbilo e de sabedoria.
6 - Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor para todo sempre.
Quando eu for cheio de sabedoria e conseguir viver ligado ao Pai todos os momentos da minha vida, por Amor a Ele e aos irmãos, estarei pronto para viver junto aos Bons em Sua Morada.
online