18 de jun de 2009

Pobreza em vários atos

Estive uma temporada afastada, forçosamente, da internet. Nesses dias de abstinência pensei num milhão de coisas para escrever. Aliás, cheguei a fazer a composição das idéias para meu marido. Ele riu um bocado. Mas pra ser sincera, olhando pra minha cara raramente alguém não ri. Então as vezes chego a achar que pouco importa o que eu tenho pra dizer, pois importante mesmo é como eu digo. Agora, escrever é outra coisa! Mas mesmo perdendo um tanto o efeito em comparação com minha atuação oral, insisto em escrever. O tema do meu discurso era o sabor e o dissabor de ser pobre. Certamente eu não conheço muitas pessoas ricas. Se é que as conheço. Enfim, a pobreza nos rodeia, nos entranha, nos consome. O pobre é o elemento essencial da modernidade. O pobre é a engrenagem do capitalismo. Já pararam pra calcular quantos miseráveis são precisos para fazer um só rico? Muitos! Observando as coisas ao nosso redor é que eu noto como pobre é predado pelas artimanhas do sistema. E o mais expressivo dessa relação é que não morre, só se prolifera. As estratégias de dizimar os pobres são inúmeras e diversas. A primeira estratégia é na alimentação. Todos os produtos com prazo de validade vencendo são ofertados aos pobres. E os pobres compram. Biscoitos, barras de cereal, enlatados, laticínios, tudo tão apto ao lixo quanto ao consumo do pobre. Carne que está em acelerado processo de deterioração, já duvidosa, é temperada e vendida em temperatura ambiente a preço de custo. Pobre compra. E não só compra como promove churrasco. Ninguém tá aqui querendo morrer sozinho! Aliás, uma modalidade interessante de extermínio coletivo são as quermesses. Aquela pujança, aquela fartura, é uma alegria que só Deus e pobre sabe como dói. Quem nunca ouviu falar na maionese que intoxica dezenas? Só que, quando muito, mata um ou dois. Fracos! Se morre por conta de uma maionese realmente não tinha vocação pra ser pobre. E o que dizer das bebidas? A água mineral custa R$1,00 enquanto um Guaravita R$0,50. Preciso perguntar o que o pobre bebe? Um líquido que custa mais barato do que água não pode ser de Deus! Eu tenho medo de Guaravita. Não sei de que poço sai a água que ele é fabricado. Se o problema fosse apenas a procedência da água eu ficaria até tranqüila. E a composição química? Aquilo tem estimulante, acidulante, é um repositor energético. Aí o sujeito que tem “pôbrema de pressão alta”, desavisadamente, toma o guaravita e se sente melhor. Muito bem disposto. Até porquê, mesmo pra morrer tem que ter disposição. E o que dizer da infinidade de bebidas com o prefixo ou sufixo COLA!? Para cada mercado há um refrigerante de cola. E pobre valoriza como ninguém a indústria nacional. Aliás, a distrital, a circunvizinha, basta engarrafar! Acima de tudo e qualquer coisa o pobre é um aventureiro, um guerreiro, um herói. Qualquer coisa simples do cotidiano para o pobre é uma missão que faz Bruce Willis, Schwarzenegger, Tom Cruiser ou Stallone parecerem fichinha. Um cidadão comum se locomove para o trabalho por carro, trem, metrô, ônibus ou barca. Sem emoção! Pobre ou vai de van, ou vai de mototaxi. Simples assim. Se alguém conhece uma modalidade de extermínio de pobre mais eficiente do que van, favor, me informe. Van não tem erro, é bateu fudeu. Ou mata geral, ou fode geral. Claro, morrer é preferível na maioria dos casos. Pessoalmente eu penso que as vans não deveriam ter na frente o nome de um bairro, mas o slogan que esclarecesse ao que veio (ou mais exatamente pra onde que vai), do tipo: céu, inferno, paraíso. Algo mais objetivo e sincero. Você pode tentar advertir dos perigos das vans, mas todo pobre irá defendê-la dizendo que é rapidinho. Concordo! É o meio mais rápido da vida pra morte, sem escala. Uma conhecida minha pegou uma pneumonia andando de van. Eu perguntei como. Ela disse que sai de casa as cinco da manhã, e a janela da van que ela pega é quebrada. Visualiza! Imagina essa brisa das cinco, excelente para os pulmões, porrando a cara da pessoa num percurso de no mínimo 40 minutos. É gostoso demais. Aliás, deveria até ser indicado como massagem facial. Gente, viver não é fácil, não é uma brincadeira. Eu gostaria de ser feia e pobre só por um dia na minha vida, pois todos os dias já está me cansando.

Um comentário:

Miss Yang disse...

amei amei amei!!! to fazendo uma tour pelo blog e to me deliciando e rindo muuuuitoooo!

online